Revista Cultural nomerevista@portugalmail.pt

sexta-feira, julho 09, 2004

A Bolha Cinzenta

senhor

Um saco de plástico branco a ser turturado por umas lindas ameias quase vermelhas, não pode ser uma boa figura, só por si. Agora umas ameias com o céu em cima parecem umas ameias, umas ameias vistas por baixo parecem buracos. Agora imaginemos isto de perfil ou em corte, conforme se preferir. Em cima está o céu e em baixo está o centro estórico, visto de baixo para cima temos uma serrilha, não são muralhas, é antes uma prensa dentada que generosamente deixa o centro respirar. A bolha cinzenta - símbolo do centro das suas compras.

PONTO 1. Uma bolha é sempre um centro, um círculo é uma secção de uma bolha e numa bolha cabe muita coisa.

PONTO 2. Cinzento é uma péssima mistura de tudo. Se juntarmos todas as cores sem qualidade (e todas a podem não ter, o inverso também é válido) o resultado não é branco nem preto, é sempre cinzento. E ainda por cima sujo.

PONTO 3. O cinzento não distingue nada, como os sacos das compras quando são todos iguais. Só engana os incautos, os distraídos e todas as pessoas de boa vontade.

PONTO 4. Sem diferenças não se cria nada, só se nivela tudo - deita-se abaixo o que é mais alto e arranjam-se plintos (bem bonitos do tipo dizaine italiano ou então não, mas bonitos) para o que é mais baixo e assim acabam-se as diferenças e chama-se a isto respeitar o outro (e a outra).

Espreite aqui a
Fundação Cultural