Revista Cultural nomerevista@portugalmail.pt

sexta-feira, julho 16, 2004

Arrecadar Eosina

por Sloan StyroFoam baseado numa ideia de Eduardo Água-Pé

Carlos e Maria são casados há já vinte anos. Vinte anos dos quais os primeiros dois foram giros. E só giros. O resto foi uma estopada que se manteve com muita diplomacia e cordialidade e porque entretanto vieram os filhos. E logo três.

Carlos e Maria quase não fizeram nada na vida a não ser trabalhar. Ele bancário, ela funcionária pública, têm poucas coisas com que se divertir: ele vê futebol na televisão e lê jornais desportivos, ela vê telenovelas e um ou outro "talk show".

Nas férias pegam nos três ranhosos e vão passar uns dias à praia. Acampam num parque de campismo asseado e durante quinze dias, rodeados de outras famílias como a deles, e para relaxar. Relaxar e comer sardinha assada com pimentos.

Mas Carlos não é um homem completamente previsível; não senhor: de dois em dois ou de três em três anos quando está de férias, passa-se e manda a família toda para dentro do carro. Depois, sem uma palavra, de olho semicerrado, sorriso matreiro e condução frenética (por vezes ultrapassando mesmo os limites máximos de velocidade) leva-a até Espanha! Aí despertam-se os seus aguçados sentidos de consumidor selvagem, caramelos, camarão, chinelos, bonecos para os putos é a gastar.

A volta é que é o pior. Os putos vêm cansados e adormecem ainda no barco; quando chegam ao carro não param de vomitar devido à ingestão exagerada de Fanta ou qualquer outro sumo espanhol marado. A própria Maria não se sente bem, ou foi do camarão ou daquela San Miguel geladinha que tão bem lhe soube. E o Carlos ainda tem pela frente centenas de quilómetros até chegar ao parque. Mas foi uma aventura dos diabos, naquela aldeia, ou vila ou lá o que é aquilo, espanhola.

E durante o resto do ano? Trabalhar para comprar eosina. Por isso é que só de vez em quando vão a Espanha (é que é preciso poupar para arrecadar eosina). Sim, eosina, não vá acontecer alguma coisa aos meninos e eles não terem eosina. E a Ana este ano já vai para o liceu. É só despesas, e é sempre preciso comprar mais eosina.

O Carlos mandou deitar abaixo uma parede que dava da despensa para uma pequena arrecadação para ficar com uma imponente reserva de eosina. Mas isso foi em 1984. Agora já teve que mandar construir um barracão no quintal para servir de armazém de eosina. É que em casa já não cabia mais eosina.

Uns amigos vieram falar-lhe de uma possível viagem aos Açores. Já têm os filhos fora de casa, casados, a arrecadar eosina. Mas o Carlos e a Maria vão ter que sustentar os filhos por vários anos e vão ter que continuar a arrecadar eosina. Não, a viagem está fora de questão, aliás, este ano nem devem ir a Espanha. O Carlos teve que mandar arranjar o carro e o arranjo foi de vinte contos, ou seja, menos vinte contos de eosina que vão comprar este ano. Deus queira que não aconteça nada aos meninos porque não se sabe se o 12 mil litros de eosina que já conseguiram arrecadar serão suficientes.
E depois é o Pedro que não anda bom. O Carlos, homem experiente, acha que ele anda a fumar ganzas, mas ainda não disse nada à Maria. Mas ou é ganzas, ou é álcool.
Anda uma pessoa a arrecadar eosina para isto!

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Do melhor!...Há cada história por detrás dessa tal de eosina! O pessoal da UCIC do HSJ bem sabe...;-)

9:44 da tarde

 
Anonymous Anónimo said...

Ó Alvarinho, só tu para descobrires uma história destas... Até me deixaste com os olhos (a)rREGALADOS!!!

11:56 da manhã

 
Anonymous Anónimo said...

BIBA, BIBA... vou escrever pouquinho, tenho que trabalhar para arrecadar eosina !!

11:58 da manhã

 
Anonymous Anónimo said...

O Carlos não é tão tolo como parece, porque ele só arrecada Eosina, não a utiliza para nada.
No entanto há quem não a arrecade mas faça muito pior, como utiliza-la no tratamento de feridas. E são estas pessoas Chefes de Serviço em Hospitais como o de S. João!!!!!!!
É ou não é de ficar REGALADO com isto?

2:18 da tarde

 
Anonymous Anónimo said...

Ainda bem que acabaram com as horas extrordinárias; imaginem a quantidade de litros de eosina que o HSJ vai poder comprar! Um REGALO para os olhos!!!!!!!!!!!!!

9:21 da tarde

 
Anonymous Anónimo said...

E agora como vai ser sem eosina? Será que a vida continuará a existir da mesma forma? E o Tratamento de Feridas sobreviverá a este embate? O que fazer?...Estaremos perdidos?
Hummmm...admito ser agora mais feliz sem o diabo da eosina sempre em riste!:-)

9:53 da tarde

 

Enviar um comentário

<< Home